quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Justiça condena professor a 6 anos de prisão por vazar questões do Enem


A Justiça Federal no Ceará condenou na segunda-feira (19) o professor Jahilton José Motta, 59, a seis anos de reclusão pelo vazamento de questões do Enem em 2011. O professor pode recorrer da decisão em liberdade.
Na época, segundo denúncia do Ministério Público Federal, o professor de física e coordenador pedagógico do Colégio Christus, em Fortaleza (CE), repassou aos seus alunos 14 questões do Enem em um simulado, cerca de dez dias antes do exame nacional.
Durante o processo, a defesa de Motta alegou que ele não sabia que as questões tinham origem ilícita, o que foi contestado pelo juiz federal Danilo Fontenelle, da 11ª Vara.
"Desprovida, pois, de qualquer fundamento real a versão apresentada pelo réu de que tais questões do Enem simplesmente surgiram em cima de sua mesa como por encanto ou sortilégio", afirmou o juiz na sentença.
"Estaríamos, assim, todos vivendo em um mundo onde reinaria a ingenuidade e irresponsabilidade social", escreveu o magistrado. "Os elementos dos autos e seus comportamentos em todo o episódio comprovam que o mesmo sabia da origem ilícita das questões e mesmo assim as divulgou."
O juiz condenou o professor com base nos artigos 171 e 311 do Código Penal, por utilizar ou divulgar, indevidamente, conteúdo sigiloso para beneficiar a si ou a outras pessoas, além de prejudicar a realização do exame.
Além dos seis anos de reclusão --que, em princípio, devem ser cumpridos em regime semiaberto--, o professor deve pagar o equivalente a 400 salários mínimos da época (R$ 545).
Para o magistrado, o vazamento das questões teve consequências graves "porque ocasionou transtornos a diversos alunos em todo o Brasil e à própria administração pública federal", pois o crime teria comprometido a credibilidade do Enem.
O professor Jahilton e o advogado dele, Victor Pompeu, não atenderam as ligações da Folha. A reportagem também entrou em contato com o Colégio Christus, mas foi informada de que a pessoa que poderia falar sobre o assunto estava em reunião.
Outras quatro pessoas denunciadas pelo Ministério Público Federal foram absolvidas pela Justiça. 

Fonte texto: folha de SP
fonte de Imagem: Google Imagem

BLOG NgN: participe deixando seu comentário sobre o julgamento, o que você acha?

0 comentários:

Postar um comentário

VIDEOS

Loading...